Minuciosa formiga






















Portalegre, Abril de 2018

Ao ritmo da bossa nova, poema de Alexandre O'Neill, musicado por Alain Oulman, magistralmente cantado por Amália Rodrigues, e não menos bem por Adriana Calcanhotto:

VELHA FÁBULA EM BOSSA NOVA

Minuciosa formiga
não tem que se lhe diga:
leva a sua palhinha
asinha, asinha.

Assim devera eu ser
e não esta cigarra
que se põe a cantar
e me deita a perder.

Assim devera eu ser:
de patinhas no chão,
formiguinha ao trabalho
e ao tostão.

Assim devera eu ser
se não fora
não querer.

(-Obrigado, formiga!
Mas a palha não cabe
onde você sabe...)


Alexandre O'Neill (1924-1986), Feira Cabisbaixa, 1965.

Gorgulho-das-malvas














Portalegre, Abril de 2018

Porque, às vezes, vale a pena chamar os bois pelos nomes, e os escaravelhos também. O Lixus angustatus (ou Lixus pulverulentus) vive nas malvas e mede mais de um centímetro de comprimento. As fêmeas têm o bico preto, brilhante, enquanto os machos o têm da mesma cor do resto do corpo.

A cruz do Calvário












Portalegre, Abril de 2018

Agora ao pormenor, o cruzeiro frente à Capela do Calvário.

Tinta de água (8)


Parque das Nações, Lisboa, Novembro de 2017

Alminhas (8)




Portalegre, Abril de 2018

Na Capela das Almas.

Mais alminhas: 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7