Mae dau teithiau trwy Ganolbarth Cymru


Pontarfynach (Ceredigion, País de Gales, Reino Unido), Agosto de 2004

Gosto muito de línguas, fascinam-me as que não domino, e adoro brincar com o tradutor Google. Se desta vez não me enganou muito, o título acima quer dizer algo como "Dois passeios (ou viagens) pelo País de Gales Central". É só mais uma oportunidade para brincar e para recordar as duas excursões que fiz, a partir de Aberystwyth, integradas no programa social do congresso.
A primeira, mais curta, foi a Devil's Bridge (Pontarfynach), uma pequena localidade conhecida por uma ponte tripla, verdadeira obra do demo, e pelas belas quedas de água do rio Mynach. É há muito uma atracção turística, pelo que foi inaugurada, em 1902, uma linha de caminho-de-ferro a ligá-la a Aberystwyth (Vale of Rheidol Railway), que foi o meio de transporte que usámos.





Por alguma razão que já não recordo, não fiquei com nenhuma imagem decente da Ponte do Diabo, pelo que as imagens que aqui uso, para combater o esquecimento, foram retiradas daqui e daqui. São, na verdade, três pontes sobrepostas, construídas, respectivamente, em 1075-1200, em 1753 e em 1902.





A segunda excursão, mais longa, exigiu transporte de autocarro, até Elan Valley, para visitar as represas e, com sorte, avistar algum milhafre real (se bem me lembro, conseguimos ver um, a planar lá no alto). É uma zona muito bonita e, apesar do tempo cinzento, valeu a visita.








O Centro de Visitantes de Elan Valley, visto de Caban Coch (Powys, País de Gales,
Reino Unido), Agosto de 2004

Vhils


Portalegre, Maio de 2017

Eu bem que andava a pensar procurar alguma obra de Alexandre Farto, que me afiançam havê-las bem bonitas por aí, mas, como não me decidia, vieram três delas a Portalegre, no âmbito do projecto Habit'ARTE -- Cultura, Património e Arte. Trata-se de uma rede de património, com vista ao intercâmbio cultural entre os municípios de Portalegre e Elvas. Em Portalegre, estão em exposição, entre 20 de Maio e 27 de Agosto, obras de Rui Sanches, Vhils, José Pedro Croft, João Galrão e Manuel Rosa, distribuídas por diversos espaços expositivos da cidade.
As três obras de Alexandre Farto aka Vhils pertencem à colecção António Cachola, do Museu de Arte Contemporânea de Elvas, e estão em exposição na Galeria de São Sebastião, no edifício da Câmara Municipal.


Lancetar 2, 2014
Portas antigas de madeira, gravadas, cortadas e montadas



Diorama Series #2, 2012
Esferovite cortada a quente e colada à mão


Gosto de todas, mas impressionou-me, particularmente, esta -- uma grande quantidade de caixotes que se estendem desde o início da exposição; primeiro, um a um; aumentando, gradualmente, em número, ao longo das paredes e curvas do espaço; até desembocar numa gigantesca sobreposição, em grandes muros verticais.






Building 3 steps, 2006
Caixas de chapa zincada, madeira, tinta de água, spray,
tinta perm., lixívia, máscara de silicone


A instalação original, com Miguel Maurício, é esta: partes 1, 2 e 3 (e só agora algumas coisas começam a fazer outro sentido).

#TBT: Aberystwyth, 2004


Aberystwyth (País de Gales, Reino Unido), Agosto de 2004

Já tinha falado de Aberystwythaqui, mas resolvi desenterrar mais algumas imagens, daquelas que servem para mais tarde recordar. Pertencem aos últimos rolos analógicos que usei, pouco antes de comprar a minha primeira máquina digital, e foram processados directamente para CD. A qualidade é fraca, mas, verdade se diga, as condições de luz não permitiam muito melhor.






Ruínas do Castelo de Aberystwyth


Promenade


North Beach

Mayor.art


Campo Maior, Abril de 2017

Faz agora um ano que começou a intervenção Mayor.art, "um projecto de arte pública em meio rural promovido em parceria pela Fundação EDP e a Associação Coração Delta com o apoio do Município de Campo Maior e da Delta Cafés", que "visa o acesso à arte e o envolvimento da população em novas experiências culturais". Os artistas envolvidos foram André Calado "NADA", Luís Managem "Órphão" e o campomaiorense Luís Silveirinha, director artístico do projecto.



















Como passo sempre do lado de fora, a caminho das compras, ainda só me apercebi dos murais à beira da estrada. Desta vez parei para inspeccionar e fotografar este, à entrada de Campo Maior, perto da Fonte Nova (desenvolvimento do projecto, aqui: 1, 2, 3, 4).
O de Degolados, só o apanhei em andamento, e em dia de chuva. Com tempo, ainda hei-de ir à procura dos outros.


Degolados (Campo Maior), Setembro de 2016






Degolados (Campo Maior), Dezembro de 2016

Um São José de azulejos T2:1




Valencia de Alcántara (Espanha), Maio de 2017

Regressamos para a segunda temporada com novos protagonistas, a saber, dois reforços espanhóis que, apesar de ornamentarem um edifício religioso (o convento de Santa Clara), constituem uma novidade de peso.
No seguimento, o desfile das novas aquisições. Mantenho alguns painéis mais recentes e/ou menos interessantes, porque agora também me interessam as molduras, e há algumas com muita personalidade.




Castelo de Vide, Abril de 2017




Santo António das Areias (Marvão), Abril de 2017


Pitaranha (Marvão), Maio de 2017




Portalegre, Maio de 2017

Para finalizar, dois exemplares resgatados do pó, o segundo com qualidade de imagem a condizer:


Monchique, Agosto de 2008


Albufeira, Agosto de 2008